Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso


Quarta-feira, 12.02.14

Estes vão ficar a morar aqui :)

Já pus na pagina do facebook, mas também quero deixar aqui arrumadinho.

Os meus dois momentos favoritos do concerto do Michael Bublé na Meo Arena (ambos do primeiro concerto, dia 1 de fevereiro, eu fui no dia seguinte)

(video amador, crédito andreia5santos)

(video amador, crédito João Pinto)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Fátima Bento às 16:12

Segunda-feira, 03.02.14

Michael Bublé Day parte 2/2 ou Como o bom pode ser Ótimo, e o ótimo às vezes é inólvidável

{Ponto prévio: sou fã de Michael Bublé desde o primeiro álbum. Dou grandes tareias de MB a todos cá em casa - não têm outro remédio senão gostar - e é a musica que oiço na praia, a que ouço em casa quando cozinho, quando trabalho no teclas, quando tenho frio, calor, quando estou alegre, quando estou triste. Ir a um concerto de Michael Buble é, per si, um sonho tornado realidade e é difícil passar para aqui o que foi o concerto de ontem sem extrapolar na utilização de adjetivos.}


Mas, dito isto, a verdade é que fui sem expectativas de maior: afinal é um show protagonizado por um crooner e uma orquestra, certo? O que é que um cantor e uma banda podem fazer de extraordinário? Levava na memória o concerto em video 'Caught in the act' e uns pequenos apontamentos que fui apanhando aqui e ali, e que mostravam o quanto o rapaz é simpático, descontraído, talentoso e gosta de interagir com o publico, mas ainda assim não deixava de ser um homem e uma banda. Com uma secção de metais, uma secção de cordas, e pronto.


Repito a pergunta a que hei-de responder mais à frente:

Um tipo e uma orquestra. O que é que podem fazer?


Começando pelo começo: espétaculo marcado para as 20:00h. 19:50h, somos 'mandados' sentar para a coisa começar.

Primeira surpresa: o quê, vai começar a horas?

Começou. 

Mesmo às 20:00h.

Para aquecer a plateia tivemos o prazer de ver atuar os 'Naturally 7', banda de New York, que canta à capella. Completamente à capella.

[Nota: vale mesmo a pena procurá-los no You Tube].

Coisa de 45 minutos depois despedem-se, ilumina-se o recinto e ficamos à espera da estrela da noite. Nesta altura aproveito para fotografar a Meo Arena




Esgotadíssimo, como se pode depreender. Na segunda foto podemos ver o que parece ser o 'pit' onde as camaras fixas que transmitiam para os jumbotrons e a demais parafernália era 'comandada', e onde estavam os acompanhantes do artista e dos músicos, e que ficava na ooooouuutraaa ponta da Arena.

21.10h o publico começa a manifestar-se. Passados dez minutos, se tanto, apagam-se as luzes e levanta-se um pouco da cortina para nos mostrar o cantor atrás do microfone a cantar uma canção 'estranha' para inicio de concerto - tanto quanto me lembro, 'Try a little tenderness'. Franzo o sobrolho, que raio de maneira de começar. Acaba a canção, baixa o espaço por onde o vimos e entra a pirotecnia, uma dezena de labaredas de que senti a temperatura, e quando damos por nós, o pano já não está lá, está o homem, a banda, e ouve-se 'Fever'. Ainda não é desta que me levanto, vou cantando. Sem tempo para aquecermos, 'Haven't met you yet' faz-se soar - apostava que aquela estaria no bolso para o encore. Sinto-me baralhada. Satisfeita, estou ali, a ouvir 'O' Michael Bublé, mas acho que está  tudo estranho. Penso que estive quase a dar €120 por um bilhete para a fila O da plateia e sinto-me bem com a opção que fiz.

Sem problemas, Michael fala connosco que diz (e é verdade) sermos um dos melhores públicos, e que toda a gente que cá vem diz o mesmo. Sim, já sabemos que é assim, somos bons, e mesmo que não fossemos, passávamos a ser. Começam as piadas do costume, e às tantas, não percebo se fomos nós se foi o show, mas tudo se conjuga. Os jogos de luz, a movimentação em palco... a temperatura sobe, os flashes e os écrans dos telemóveis continuam a ver-se, e estamos todos num jogo em que todos os detalhes jogam, contam, tudo estudado ao pormenor, e aquele início "falsamente descoordenado" começa a fazer sentido para gerar o crescendo

E aqui gostava de me lembrar em que momento, em que musica, ele desce do palco e atravessa a arena (e isto não é novidade, pode até dizer-se ser habitual). Vai distribuindo toques, beijos rápidos, rodeado por um batalhão de seguranças para, fundamentalmente abrir caminho e garantir o timing... Michael sobe ao outro palco - que afinal era o que 'aquilo' era, por respeito para quem de tão longe via tão pouco, e onde já estavam os elementos dos Naturally 7.



E sai uma mão cheia de musicas, uma delas à capella com os sete, e no meio de tanto deslumbramento, de tanto planeamento, Bublé volta a atravessar a Arena ao som de 'All you need is love' dos Beatles, e quando sobe ao palco e começa a cantar, cai uma imensa chuva de milhares de confettis tamanho XL na forma de corações sobre toda a plateia. 







Aqui vacilo  pela primeira vez: canto? danço? aplaudo a compasso? Puxo do telemóvel? Pois que consegui fazer tudo e... resultou na perfeição.

Daqui ao encore, não há tempo para arrefecer ânimos, para a adrenalina quebrar, nem quando as musicas são mais românticas e calmas. Michael ama o publico, o publico devolve com juros.


Hora do encore, ele retira-se, a orquestra mantém-se no lugar, Bublé entra sem o papillon nem o casaco do smoking, mas com um blaser de sequins. A produção visual esmera-se, as estrelas alinham-se, tudo, tudo, TUDO está certinho, correto, perfeito.

Para a útima musica o artista, visivelmente emocionado escolhe 'Song for you', porque é, segundo o próprio, a última atuação da tour, e é Portugal, e é por isso. E ISSO, é a letra da canção, a mensagem, uma canção dedicada a nós todos.

No solo, o saxofone toca no 'palco B'. Quando voltamos a olhar para o palco onde o cantor se encontra, Bublé está sózinho, com a cortina já fechada, sem a orquestra, larga o micro, pede silêncio, arranca o auricular e, sem qualque suporte sonoro, enche a Meo Arena com a sua voz.


A SUA VOZ.

Acaba, acena, agradece, recua, entra pela abertura por onde tinha surgido no inicio do show.

Atiramos a casa abaixo com aplausos e bravos, mas ninguém se atreve a pedir mais um encore: fica ali claro que

ELE DEU TUDO

E não se pede mais a quem se dá por inteiro.


E é essa a única resposta à pergunta que fiz no inicio do texto:

O que é que um cantor e uma banda podem fazer de extraordinário?

TUDO.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Fátima Bento às 18:44

Segunda-feira, 03.02.14

Michael Bublé Day { Domingo, dia mágico } parte 1/2

Ok, ok, ok, ok...

Ontem, um nadinha antes da meia noite já eu estava agarrada aqui ao teclas, mais propriamente no Facebook, a postar uma foto do concerto. E uma hora depois, instagramava outra.

Impossível era escrever sobre o assunto aqui... cheguei a casa com os olhos cheios de estrelas, e o Tico e o Teco estavam ainda em êxtase, decidi dormir sobre a experiência e guardar para escrever sobre o concerto hoje.

Contado como se fosse uma história: eu e o marido fomos para o Parque das Nações cedo, mas como estava um ventinho fresco, e solinho qu'é bom, só se andássemos a correr atrás dele, acabámos dentro do Vasco da Gama a comer gelados, para começo de conversa.

[na varanda, melher? Ná! Mudámos de ideia em dois tempos (acho que foi mais um e meio, mesmo...)]
Demos umas voltas, com umas paragens para conversar, e pouco depois das seis já procurávamos local para jantar, que o concerto estava agendado para as 20:00h
(... yá, pensei eu e pensam vocês, oito da noite! Com os atrasos do costume estás com sorte se começar antes das dez...),
e queríamos entrar no Pavilhão por volta das 19:00h, ou pouco depois disso
(sim, eu sei, a minha costela masoquista em acção, pensais vós...)
E pronto, passavam uns bons minutos das sete quando passávamos o último 'controlo' dos bilhetes e éramos brindados com chocolates gentilmente oferecidos pela Meo, por umas meninas desvestidas a rigor. Dirigimo-nos à nossa secção 16, onde o marido fotografou aqui a 'vedette'
Faltavam dez minutos para a hora marcada, e começaram a chamar as pessoas aos seus lugares - esta coisa vai começar a horas!!!!!! pensei eu, aparvalhada.
E começou. 
Saltando já para o P.S. do post seguinte, diverti-me aos mólhinhos
(tive três lugares só para mim - gaija de sorte, parece queforam dos poucos em que quem comprou não compareceu),
cantei o concerto TODO
(mas no fim ainda tinha voz!)
Dancei, ri, gritei, aplaudi, e fotografei. E eu que até pertenço àquela 'escola de pensamento' que defende que através da lente não vês, nem vives o momento, dei graças aos céus pelos telemóveis com câmara, e não perdi nada por isso.
E, numa frase
o concerto foi
pura magia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Fátima Bento às 07:19

Domingo, 02.02.14

Uma por dia até HOJE - que até vai uma a mais

E uma mais lenta (a minha "mais favorita" delas todas...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 14:30

Sábado, 01.02.14

Uma por dia até dia 2 #7

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 15:30

Sexta-feira, 31.01.14

Uma por dia até dia 2 #6

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 15:30

Quinta-feira, 30.01.14

Uma por dia até dia 2 #5

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 15:30

Terça-feira, 28.01.14

Uma por dia até dia 2 #3

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 22:47

Segunda-feira, 27.01.14

Uma por dia até dia 2 #2

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 23:42

Domingo, 26.01.14

Um por dia até dia 2 #1

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 17:33


Curioso?

foto do autor


Follow on Bloglovin

 E aqui:

   

   

 


Sou mãe

 

 

 


 

www.maesportuguesas.com



Estive aqui

 

 


Quem procura... geralmente encontra...

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728

No baú, mas sem naftalina (detesto o cheiro)