Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

23
Mar11

De barriga cheia de beleza. E aqui tão perto...

Fátima Bento

Chamem-me lá burra: B-U-R-R-A! É que "mesmo aqui ao lado" fica um dos lugares mais bonitos do mundo, logo a seguir à minha baía – desculpem lá mas não há como deixar de ser bairrista. A serra da Arrábida sempre foi dos meus lugares favoritos, e já lá não ia – pasmem – há p’r’aí uns quinze anos, mais uns pozinhos, menos uns pozinhos. Isto para quem é apaixonada por água e paisagens naturais e/ou em bruto, não faz sentido nenhum. Acresce ainda o facto de, de cada vez que lá ia, vir com a cabeça completamente limpa. Comentava-o, na altura, com o meu recém-marido. Entretanto um ou dois fins-de-semana que voltámos, apanhámos daqueles trânsitos de fazer desesperar um monge budista, e... nunca mais. De semana o homem trabalhava, e eu não conduzia... mas a saudade era muita, e volta na volta lá vinha o assunto, e as saudades. Na passada segunda-feira, aquando da minha primeira visita à minha praia, refleti sobre o assunto, e tendo eu hoje de me deslocar a Setúbal para ir ao médico, decidi que era desta que ia “fazer a Arrábida”.

Não tendo mais referências de que as placas indicadoras na estrada, e o facto de que, no fundo da Praça Luisa Todi, virava à direita, não sabia mais nada, não tinha qualquer recordação do tipo de estrada, nada. Tinha noção de que era uma zona arriscada, e por isso nem me tinha aflorado à ideia ir lá antes, carta há menos de um ano, as aventuras querem-se grandes mas não imensas... e de facto a estrada que serpenteia a serra é estreita, e o panorama de tal forma deslumbrante, que galga-se a valeta com facilidade (e o asfalto é alto), não  sendo, de todo o local ideal para ter um furo com tal desnível. Mas hoje, dia de sol (como se vê nas fotos), a serra estava vazia de carros, exceptuando dois ou três com que me cruzei, parados nas escapatórias, com os seus ocupantes do lado de fora, a tentar digerir tamanho deslumbramento. Porque é de deslumbramento que falamos; aqui a vossa amiga fez a subida pontuada de uau’s e de expressões similares, e no alto, parecia uma maluca aos gritos. A sério, a melhor frase que me saiu, lá no alto, a mirar a imensidão azul com Tróia no meio, foi: “Até dói!”

A sério, tamanha beleza não se descreve nem se quantifica: vive-se!

Levei, como prometido, a máquina fotográfica, mas antes de atingir o cume, onde ficamos sem respiração, mar de um lado, vale a perder de vista do outro, já tinha decidido: para quê a máquina, mesmo parando em todas as escapatórias, não havia maneira de fazer juz ao que o coração atingia. No entanto, quanto mais não seja para recordação da minha “aventura”, ilustrei a viagem com alguns instantâneos.

Infelizmente “falhei” a Figueirinha – presumo que deveria ter virado para o Portinho da Arrábida, e que posteriormente haveria uma placa que divergiria para ambas as praias. Na altura só raciocinei que o Portinho, que era a única estrada de que me lembrava, tinha uma inclinação acentuada, e não quis infernizar a vida ao Rocinante e forçar a embraiagem, por isso, segui em frente. Acabei, então aqui, em Brejos de Azeitão onde me encontro, e tendo seguido as indicações, logo à entrada, de “casa de chá”, dei de caras, numa zona nova, com "Terras de Sabores"  , um local muito acolhedor, com tortas de comer e chorar por mais (juro, nunca comi tão boas!) num ambiente tranquilo que se divide entre o chá e café, objectos decorativos escolhidos a dedo, elementos de cozinha gourmet, vinhos e demais produtos - da região e não só.

 

Agora, que o meu chá está a chegar ao fim, e a minha montada já descansou de tamanha cavalgada, vou pegar no corcel e galopar para casa – com a alma cheia, cheiinha de azul. E tão, TÃO feliz.

 

Pormenores...

 

A foto não está centrada, o ângulo é um susto, o cabelo está de fugir, a única coisa que se aproveita é mesmo o fundo... mas ó pra mim, eufórica, no alto da serra!

E  este local é onde acabei a subida, e começa a descida. O que valeu foi não haver carros na estrada.. liguei os quatro piscas e fui rápida no gatilho... ATENÇÃO: isto não se faz, de todo...

 

 

Há-de seguir-se, que fiquei com o bichinho e a vontade, Sintra. Com sorte, daqui a um mesito...

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D