Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

16
Out11

E vão dezoito. DE-ZOI-TO!!!!!

Fátima Bento

Gajo:

Pois é que já lá vai um porradão de anos não é? Pois vai. Deixemo-nos de coisas que não parece nada que foi ontem - e ainda bem. Crescemos tanto individualmente...  nestes 18 anos, e como casal então nem se fala... ainda temos umas imaturidades, umas coisas que se afiambram a nós qual lapinha, mas isso é o de menos, andando se faz o caminho.

O 'nós' atingiu a maioridade... quer isso dizer que já pode tirar a carta, sair do país sem autorização, votar (não falemos de coisas tristes). E quer dizer que no meio desta imensa montanha russa estamos os dois de parabéns, por sermos teimosos que nem umas portas, e não desistirmos nunca do 'nós'.

E mais.

Tu és um espetáculo. Não tenho jeito para lamechices, mas és. Todos os dias, ou quase, cresces – e tem sido um desafio do caraças, não tem? Não sou uma pessoa fácil – não sou classificável como didficil, mas também não sou nenhum bombom-de-chocolate-com-recheio-de-morango. É preciso pachorra, e cuidado, que às vezes eu quase-que-me-parto...

E um segredo:

Sabes o que eu sempre desejei num gajo? Que me protegesse. Não sendo paternalista, e o diabo a quatro, mas que pusesse a mão no leme e me deixasse descansar de quando em vez. Que me dissesse 'não te esqueças do casaco que vai fazer frio', mas que não desatasse a correr atrás de mim de casaco na mão a gritar 'nunca ligas ao que te digo'. Ou então que não dissesse nada e só mo colocasse sobre os ombros. Ou seja, o dificil da coisa: proteger sem se substituir a mim e sem sufocar. Um qb idealizado, que é uma gaita para qualquer um conseguir acertar.

Mas, e hoje posso dizê-lo, conseguiste. O tal ponto foi atingido – há não muito pouco tempo, mas foi.

 

"Esquecemos muitas vezes que a presença do outro ao nosso lado não é um dever, mas uma escolha”, e desandamos a exigir, como se tudo nos fosse devido. E não é. E é tão bom que não seja.Temos por hábito (nós, os valentes que temos relações que são como os autocarros de turismo: de longo curso) achar que o outro deve. Deve fazer, deve achar, deve estar. Isto tudo porque partimos do pressuposto que é assim e pronto: mas não é assim e pronto; eu estou do teu lado porque quero, tu estás do meu porque queres. E isso é muito bom.

 

E o que há a dizer mais? A gente ama-se muito, e prontx. Se a gente não se amasse tanto, não estávamos aqui agora, eu a publicar estas coisas e tu a lê-las a seguir.

 

Parabéns, pois, e até para o ano!

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D