Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

20
Out11

Ciúme e reforma, ou O post mais machista que escrevi na minha vida, e nunca pensei vir a escrever...

Fátima Bento

Há uns dias atrás ouvi uma conversa que me deixou a pensar. Uma senhora dizia a outra que o marido era muito ciumento, e desde que se tinha reformado, era um inferno; quando de manhã ia à praça e demais errands – parece-me bem aqui a palavra recados - ao chegar a casa era sujeita a um interrogatório ao jeito da Gestapo nos seus melhores dias: porque é que demoraste, onde é que foste, com quem é que falaste (esta, eu achei um mimo). E a senhora forçava um ar incomodado, que é um desassossego, num indisfarçável orgulho de quem se sente desejada.

Fiquei, como disse atrás, a pensar no assunto.

Vamos dividi-lo por partes:

  • A reforma – não há (é que não pode mesmo de haver) quem entre na reforma de ânimo leve. E isso é perfeitamente compreensível: é como se a sociedade passasse um papelinho a dizer 'fora de prazo', e nos remetesse para a prateleira da vida. No caso das mulheres, não me parece tão dramático como no dos homens, por vários motivos: a sociedade ainda não enraizou nelas (em nós) a ideia de trabalho como principal finalidade da vida. Estamos afincadamente no mercado de trabalho há perto de cem anos – o boom deu-se aquando das Guerras Mundiais, pelo que é relativamente recente. Mais: temos o poder (sim, sim, o poder) de gerar vida, o que nos atribui, sem mais delongas e por defeito, uma missão; somos mais pró-activas, pelo que descobrimos sempre qualquer coisita para fazer. E, claro, há aquela coisa que a sociedade ainda remete para as mulheres: o trabalho doméstico. Os homens já vão dando o seu contributo, mas só a partir da minha geração. Há coisa mais irritante de que o 'queres ajuda'? Ajuda pressupõe que a tarefa é minha, e que o outro se disponibiliza para ajudar, já que não tem essa obrigação...

Por isso, um homem quando se reforma sente-se assim um bocadinho como uma mulher na menopausa: e agora o que é que eu faço, para que é que sirvo (desculpem, mas não acredito que isso não passe pela cabeça de todas, pelo menos umas vezezitas). É dose. E depois inventam. É o 'o que é que estas a fazer?' repetido à exaustão, o que é que há para eu fazer (os miúdos fazem a mesma pergunta...), o caso da senhora mencionada acima...

  • O interrogatório – o interrogatório a que o esposo da senhora acima sujeita a  mulher diariamente mais não é que o desespero de tentar segurar o que lhe resta. Primeiro é assustador que além do emprego possa perder a mulher (é similar ao que as crianças sentem quando se sentem abandonadas por alguém importante na sua vida, na justa medida), i.e, a família, o lar. Depois, colmata a necessidade de sentir controlo sobre algo, neste caso específico, alguém. E depois pode manifestar uma necessidade de viver a vida por interposta pessoa – onde é que foste e com quem falaste (só falta o de quê, que me 'cheira' que o senhor em causa também perguntará) mais de que ciúme pode demonstrar simplesmente curiosidade.
  • O ciúme – o ciúme é lixado... como já referi atrás, prender-se-há (prende-se sempre) com necessidade de exercer controlo sobre o outro. Porquê? Por medo. Medo de rejeição, receio de perda do que sempre considerou seguro, e do que até ali desconhecia (e para mais, sabia lá o senhor que a mulher saía todos os dias durante aquelas horas!).

Ora nada disto é dramático quando a esposa em questão sente essa 'atenção' como lisonjeira, como era nitidamente o caso da senhora que ouvi. Com a idade em questão – mais de 65 anos, que é a idade da reforma atualmente – provavelmente não estava à espera de ser alvo de desconfiança, o que lhe reforça a autoestima, e lhe diz a) que é desejável e b) que é desejada.

Mau, mau, é quando a senhora é ciosa da sua independência e liberdade e sente que o outro está a invadir o seu espaço - eu sentir-me-ia assim. Temos, nesse caso o caldo entornado, e muita discussão.

Este post acaba por ser uma análise semi-sociológica do fenómeno, não quer nem pode dar dicas do que quer que seja. Só me parece que, neste caso, a única solução será a assertividade no discurso, senão, não há saídas airosas...

E ao fim de uma vida em comum, acho eu que ninguém sai a ganhar...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D