Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

08
Jan13

Les Misérables - seis estrelas chegarão?

Fátima Bento

Começo por informar quem por aqui passar que,

  1. Não conheço a obra de Victor Hugo;
  2. Não vi nenhuma das versões anteriores da mesma em celulóide;
  3. Não vi o musical em palco.

O fato de estar em exibição no West End desde 1985 diz qualquer coisa sobre a qualidade da coisa, mas o meu conhecimento ficava-se por aí - isso e mais o saber que era um dramalhão 'de caixão à cova'.

Facto:

Do mesmo autor,  "O Crocunda de Notre Dame", editado em 1832, foi considerado o seu maior romance histórico, e antecedeu "Les Misarables", publicado em 1862, tendo sido inicialmente publicado apenas um excerto da obra total, "Fantine", e posteriormente, a obra completa, que, não tendo sido bem recebido pela sociedade francesa contemporanea, terá conhecido um sucesso imenso, tendo sido adatado ao teatro, à televisão, ao cinema e a musicais, como é certo e sabido.

E é sobre isso que falo hoje.

Não seria de esperar outra coisa senão uma grandiosidade elefantina nesta adaptação ao cinema. Começando pelo investimento imenso.
E tudo resulta nesta adaptação da obra ao grande écran.
Resulta a reconstituição da época - e outra coisa não seria de esperar - a grandiosidade impressa logo no início, e a e interpretação de cada um dos atores.
Contrariamente a muitos críticos de cinema, considero, euzinha, espectadora, que os grandes planos só enriquecem a obra. 

Hugh Jackman, e o seu Jean Valjean consegue, ao longo de 157 minutos, fazer-me sentir o seu desespero, angústia, afirmação, apreensão, amor, aflição... o olhos nos olhos com o espectador, quanto a mim, é importantíssimo, e desmascararia uma má atuação. Hugh Jackman, por essa ordem de ideias, é soberbo.

 


Passando a Javert, interpretado por Russel Crowe (e informo desde já que desconhecia o fato do mesmo ter uma banda - e não é a primeira - e ter já alguns álbuns editados, coisa que o meu infante sabia muito bem...), pareceu-me a mim que o 'cantado ao vivo', que pautou a filmagem, no seu caso terá sido alvo de algumas misturas... ou então estou só a ser má língua... Mas para o seu desempenho está assegurado um aplauso merecido.

 

Anne Hathaway, Fantine, tem um papel "curto" em termos de duração (chegará, quiçá, a um terço do filme?), mas imenso em termos interpretativos. Segundo a própria, foi um trabalho que lhe doeu, e essa dor é talvez tão visível como a de Jackman. A sua frescura habitual vai desaparecendo sob as camadas de angústia que surgem à medida em que o  seu sonho se materializa no pesadelo em que a sua vida se transmuta - mas não é possível esconder a beleza indesmentível da atriz.

E o restante elenco cumpre, igualmente, o seu papel. Amanda Seyfried (Collette), que só tinha ouvido cantar em "Mamma Mia", recordou-me uma das poucas vozes de que consigo gostar apesar do  vibratto da mesma (e as vozes com 'trinados' irritam-me sobejamente). E Eddie Redmaine (Marius) surpreendeu-me muito positivamente, a par com Samantha Barks (Éponine).
Finamente, Helena Boham Carter (Mme Thénardier) parecendo-se, cada vez mais, consigo própria, a fazer par com Sacha Bharan Cohen (Thénardier), colam-se-me à memória em "Sweaney Todd"...
O filme promete e cumpre.
Diz-se à boca pequena que vai "varrer os óscares" mas sobre esse assunto não faço previsões. Ficarei inconsolável se o de Actor in a leading role não for parar às mãos de Jackman, mas quem sou eu para vaticinar prémios numa cerimónia que resulta da intresecção de premissas que ultrapassam a qualidade do ator, realizador, filme, etc., em suma, o cinema per si.
E para além do mais, temos de esperar pela próxima quinta-feira 10 de janeiro, para tomar conhecimento das nomeações, e medir "a concorrência".
Recomendo vivamente!
Mas, para quem está com dúvidas:
    • este filme É um musical. Se presume não 'aguentar' 158 minutos de cantoria, não vá ver. Perde um filme com um F muito grande mas... prontx...
    • tem medo de ter de levar uma caixa tamanho jumbo de 'kleenex' por companhia? Não receie - nem leve. Basta um lenço - mas esse, acredite, vai usar.
    • Vai, como diz a Tentações, ver muitas laringes? Se calhar vai - eu não vi. Onde os critícos de cinema da Sábado viram epiglotes, eu vi olhares. 
Quem será que ficou a perder?

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D