Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

26
Jan13

Zero Dark Thirty (ou Dark Hour para os amigos)

Fátima Bento

Ora bem, como me desbundei toda no post anterior, é capaz de ser boa ideia dizer o que achei do filme, sim?

Quem lê o que vou escrevendo sobre cinema, já deverá ter tropeçado numa palavra em quase todas as análises: contenção. Gosto muito, valorizo muito.

E como tal, só posso ter uma opinião sobre Zero Dark Thirty e a representação de Jassica Chastain (que é bem capaz de levar a estatueta para casa*): não vou usar o adjetivo 'perfeito', que já usei para descrever o ARGO, mas um trabalho sublime é capaz de andar lá perto. Sublime enquanto joint forces entre a realizadora e a equipa, que deu no resultado que vi. E sublime na interpretação de Jessica.

Porque "sublime" é um termo um bocadinho forçado para um filme que começa com uma cena de tortura.

Aliás a tortura aqui surge como um elemento indissociável causa-efeito, e o que nos choca, enquanto espetadores, é a ausência desse abalo e náusea previsíveis.

O filme é escorreito, muito ao jeito de Katherine Bigelow, que começa a ser mestre neste tipo de abordagem (quase) imparcial.

(Quase) nada a apontar neste fime.
O 'quase' prende-se com uma emoção de que senti a falta e que me parece ser um dado adquirido, quase um 'preconceito-obrigatório': nós, os que aqui estamos longe do cenário de guerra, e que engolimos com maior ou menor facilidade as imagens e ideias que são selecionadas para nosso visionamento, sabemos que alguns torturadores GOSTAM de torturar. E é esse elemento que falta neste filme: nenhum torturador o faz porque 'yá, bora lá a isto!', é assim mais um 'desculpa lá, mas nós sabemos que tu sabes e se tu não nos disseres vamos ter de te magoar, e nós preferíamos não te magoar, por isso, vê la se contas o que sabes, ok?' e quando o gajo não facilita, pronto, tem mesmo de ser, ninguém se arrepia nem vacila, mas ninguém tira qualquer prazer disso, é assim tipo vamos lá ter de tomar mais um café, yá tiras tu ou tiro eu, sei lá... vê lá, a maquina 'tá perra, é preciso fazer um bocadinho de força... então ok, tira tu desta vez...
Durante o filme houve uma frase que me bateu(...eu...eu...eu) na cabeça: a tortura em cenário de guerra - e para mais na perseguição de um alvo como Bin Laden, NÃO É NADA DISTO.
NÃO, É PRONTO.
Mas que é um GRANDE FILME, ah, isso é.
*entre uma atriz que entra em aí 20 minutos de filme, interpreta uma canção de fazer chorar as prdras da calçada, tem uma interpetação perfeito, e uma outra atriz que aguenta uma representação incólume durante 157 minutos, não me parece que hajam grandes dúvidas. Digo eu.

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D