Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

12
Mar13

As Biberettes e a falta de memória de tantos pais...

Fátima Bento

Muito tenho lido sobre as teenagers acampadas à porta do Pavilhão Atlântico. Mas só que o que eu acho mais interessante é a reação de tantos pais, que salvo raríssimas exceções, vem de pais/mães com crianças (muito) pequenas que seguem a tabela-tipo de 'eu faço(zia) e eu aconteço(cia)', não faltando a máxima '...ai se fosse minha filha...'

Ah!

{Em primeiro lugar, abro uma exceção àquela criança de 16 anos que tinha 5 tatuagens do Justin Bieber. É. sem dúvida, um caso patológico. Mas parece-me bem que a patologia vem mais dos ascendentes que da descendente.

MAS QUEM, EM SEU SÃO JUÍZO, DÁ AUTORIZAÇÃO

- CINCO AUTORIZAÇÕES! -

PARA MARCAR INDELÉVELMENTE O CORPO COM O NOME DE ALGUÉM

QUE, NÃO TARDA, NÃO É NINGUÉM??

Há duas hipóteses: segundo a lei, os pais têm de dar autorização, mas há formas de de dar a volta à coisa.

{Isto é um suponhamos}

Então, estou sentada na sala e a minha filha entra e: olha, fiz isto, diz estendendo o braço gravado pela primeira vez. 

Primeira reação:

1. Cai-me o queixo;

2. Entro em choque;

3. Não consigo pensar;

Mas acho que a seguir a conseguir apanhar os meus berlindes todos do chão, agrrava na pequena e marcava uma consulta num dermatologista. E forçava, tanto quanto possível, uma amostra da remoção da mesma por laser. Só um saborzinho. Até lhe pagava o retoque 'daquela merd@', se ficasse estragada. Mas havia de fica a ruminar no que havia de passar. Provávelmente não teria chegado às cinco tatuagens...}

 

Agora quanto ao acampamento junto ao Pavilhão Atlântico:

NADA contra;

TUDO a favor.

Há coisas que têm de ser vividas com toda a intensidade. Toda e mais alguma, são memórias para o resto da vida.

Domingos Amaral no seu post sobre o tema acerta na cabeça do prego. Só há uma coisa que me deixa admirada:  eu e o D.A. temos  a mesma idade.

Por isso, confunde-me quando diz

"Quando eu era mais novo e adolescente, é evidente que gostava muito de ir a concertos e fui a imensos. Mas, nunca fui um fã incondicional de nenhum grupo ou cantor. Nunca fui daqueles que ia na véspera para a porta dos concertos, nem que ia para a fila para comprar bilhetes logo às primeiras horas, essas coisas que os fãs fazem. Muito menos ir esperar os cantores ao aeroporto!" 

Presumo que os concertos a que D.A. se refere sejam ou fora-de-portas, ou de grupos portugueses (e eu bem sei que nenhum dos grupos nacionais da altura tendia a levar ninguém à histeria, ou a uma fanzisse obcecada). PORQUE, se bem me lembro, para cá vir ALGUÉM de renome, era um castigo! Nem esta geração faz a mínima ideia do que era difícil conseguir ver os grupos de que gostávamos.

Tive o imenso privilégio de ir ver o meu grupo favorito do qual era-o-equivalente-ao-que-as-bieberettes-são-hoje, sem lata para tanto, mas num frenesi danado. Eram os Duran-Duran - o Simon LeBon (que ainda hoje canta mal) e o John Taylor, mais os outros três. O meu paizinho levou-nos (a mim e a quem mais coube na carroça) até ao Dramático de Cascais e aguardou no carro o final do concerto. Idem para os Spandau Ballet (e mais tarde para as exibições de Ivan Lendl e de John MacEnroe, mas nesse caso, assisti sozinha). Sei que cá vieram mais dois ou três nomes maiores, ao estádio de Alvalade, e acabei por ver o Roberto Carlos aí, da primeira vez que o vi ao vivo (penso que foi o meu primeiro concerto à seria). De resto, Portugal era O deserto. Ninguém sequer sabia onde isto era, quanto mais cá queria vir!

Por isso, é impensável fazer comparações. 

Também não imagino, na minha adolescência, o mise-en-scéne do lançamento das obras Potter da Rowling, e de jogos para PC ou consolas, que

EU ACHO QUE SIM

que é de estar presente. Fica no álbum das recordações, sem sequer ser preciso sacar da maquina fotográfica ou do telemóvel.

Por isso aos velhos e velhas do Restelo que "nunca jamais em tempo algum" deixariam as descendentes acampar à porta do Atlantico, um conselho: uma redoma de vidro. Ou uma bolha. 

É mais facil e dá menos trabalho aos pais, que assim não têm que de quando em vez levar comida, roupa, e verificar se está tudo 'nos conformes'.

Sim, que isto de à vontade não foi, nem é, à vontadinha...

12
Mar13

O meu dia

Fátima Bento

Pois que os 10 minutes se alargaram a uma tarde inteira. Almocei num restaurante super privado com vista para a minha baía - passei no MacDo, comprei um Happy Meal, dirigi ate ao Seixal, e estacionei virada para o rio. Delicia de vista!

Depois, quando voltei, arrumei algumas das compras, estendi roupa, e rumei aos braços do Morfeu, que era mesmo o melhor a fazer. Li uns capítulos antes de adormecer e outros quando acordei. Nas calmas.

Depois fui à churrasqueira comprar um frango e arrumei o jantar.

Há dias assim, que correm sem sobressaltos, a despeito do buraquito no peito. Pois tant pis para o buraquito, que a vida não espera por nós, é fazer o que se pode, quando se pode com o que se pode. E hoje o melhor foi isto mesmo.

12
Mar13

Hoje...

Fátima Bento

Eu sei, que isto de andar comigo às costas há 45 anos já me deu um certo know how em relação à minha pessoa, que em dias como hoje - que seguem diretamente em sequência de ontem, sem passar na casa da partida e receber 200 euros - que o pior que eu tenho a fazer é vir para aqui verbalizar por escrito o que me vai na alma. Porque, garanto, em dias como hoje, em sequência direta do último post, só vai sair merd@.

Por isso, por agora não tenho realmente intenção de escrever nada que conte para o que quer que seja.

Tenho dois temas 'na manga', que posso usar como joker, mas não me apetece. Não me apetece AGORA.

Um, é claro, é o incontornável Justin Bieber e consequente histeria. O outro é um post que li num blogue daqueles que têm muuuuuuitas visitas (daqueles números que até custa a crer que sejam mesmo verdade) que me deixou de boca aberta e fez sair da boca do meu marido um taxativo

ISSO

É

GOZAR.

Pois é. E já lá vai mais de uma semana sobre o post e quando me lembro do que li ocorrem-me uns epítetos pouco dignos da boca de uma senhora (e até da mente de uma) que hão-de acabar escarrapachados aqui.

Mas não é agora.

Agora vou sair, tomar um café, e já volto a casa. Pode ser que então me sinta com tintins e vontade de pegar num deles.

Ou, de resto, noutro qualquer.

(ou assim...)

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D