Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso



Segunda-feira, 30.12.13

O final do ano, passar 2013 em revista, como é suposto, e coiso.

Pois que não me apetece. Não me apetece nada falar de 2013. Se foi um ano mau? Mau não seria o adjetivo que usaria para o classificar, mas foi (profundamente) um ano duríssimo.

Nada a esquecer, nem nada a mudar no que passou: é aprender e seguir em frente. E fazer os possíveis para que vá doendo menos, na justa medida em que eu vá deixando a fragilidade se transfigurar em força, e ser capaz. Há dois anos atrás, escrevia eu aqui os meus desejos para 2012. E vai-se a ver as coisas não mudaram assim tanto...

O meu único desejo expresso era 'ser capaz'

"(...)De acabar aquilo que começo.
De começar aquilo que adio.
De acreditar nos meus sonhos e agir em conformidade.
De dizer não.
De dizer sim.
De tanta coisa..."
Nessa matéria, continuo com o mesmo desejo, mais ou menos no mesmo pé. E pela mesma razão: "é difícil uma pessoa se conseguir organizar de pc ao colo no sofá. Mais difícil ainda é fazê-lo quando o colo é tomado de assalto pelas ladies da casa, que sabem perfeitamente qu'aqui quem manda são elas . Acreditem (...), é extraordinariamente difícil teclar com elas em cima", e por isso, desejava, na altura, muito, muito, muito um escritório.
Essa parte já está.
As Billy estão lá as duas, o auto-retrato da Inês ocupa lindamente a parede do fundo, tenho um cantinho para a leitura, uma cadeira porreira para a secretária, e a dita por montar - a ver se trato da arrumação das prateleiras da Billy 'de lá' antes da montagem da mesma, já que tenho mais espaço agora.
Tudo pronto, portanto, para começar o ano a organizar-me de uma vez.
Quanto ao resto... é pá, nem vou falar nisso. Ando um cocó feito de cristal, estilhaço-me não sei quantas vezes ao dia, e o resultado desse estilhaçar é umas vezes lágrimas, outras vezes uns ataques de mau génio de sair de baixo (o meu psi diria que
a) foram muitos anos a engolir;
b) o luto não se faz em dois ou três meses)
Mas isto de me sentir completamente desestruturada ou a desestruturar-me a cada hora, é uma gaita. E o não dormir, ou dormir e sonhar com 'os meus mortos' (as minhas pessoas queridas que morreram, que já faz um ramalhete jeitoso), acordar e ficar uma ou duas horas a virar na cama até voltar a adormecer é mesmo cansativo, e mais a cada noite que passa...
Está (tudo) a ser muito difícil. 
- também ninguém disse que ia ser fácil...
(nunca foi, porque seria agora depois destes sobressaltos todos?)
Por isso, queridos e queridas, ainda antes das 12 badaladas de amanhã deixo aqui um post fofinho e doce, otimista q.b. [que eu não me estou a candidatar a nenhum cargo politico para me fazer mais (animada) que aquilo que ando], mas prometendo desde já ser sincera, amanhã desejo a todos um ano novo com tudo o que temos direito.
Amanhã.
Por hoje fiquem-se com esta, e não digam que vão daqui sem nada...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 19:15

Segunda-feira, 30.12.13

O-calendário-de-que-se-fala ou a hipocrisia que agora e sempre nos rege e regeu...

Ok. 

A Cáritas recusou as receitas que lhes seriam dirigidas por uma parte da receita obtida com a venda dos calendários dos bombeiros de Setúbal.

Está bem.

Porquê, pergunto eu?

Parece que tem a ver com um certo puritanismo, ou assim, o não querer dinheiro ligado à 'exploração' da sexualidade intrínseca nas fotos dos senhores que posaram para o calendério-de-que-se-fala.

Diz que sim, que estas coisas de misturar sexo e religião não é bem vista.

Diz que sim, que na religião, neste caso preciso católica, os fieis só têm relações para procriar, com as luzes apagadas, o mais vestidos possíveis sendo que os homens mantém as calças e respetivos trusses (é assim que se escreve?) a meia aste, e as senhoras se limitam a levantar a camisa de noite por forma a facilitar a entrada da semente que, esperançosamente, dará fruto daí a nove meses para se não terem de submeter à repetição de tal ato ignominioso.

Diz que sim, que não existe qualquer pingo de verdade no envolvimento entre padres e freiras ao longo dos últimos séculos, nem existe pedofilia não ser nas mentes porcas e difamatórias dos iníquos inimigos da Santa Madre Igreja.

Pois que diz que sim.

O que quer dizer que esta noticia é falsa:

ou clique na foto para ler a noticia)
Quanto à Cáritas portuguesa: para o próximo peditório podem contar com a minha moeda... a permanecer dentro do porta-moedas. Hipócritas de merda...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Fátima Bento às 16:52


Curioso?

foto do autor


Follow on Bloglovin

Quem procura... geralmente encontra...

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

No baú, mas sem naftalina (detesto o cheiro)