Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

13
Dez10

A segunda aventura da Carina - a-ratinha-que-veio-para-ficar-e-deixar-marca...

Fátima Bento

Eu bem sei que a minha memória anda curtinha, mas parece-me bem que acabei de apanhar o maior susto do ano!

 

Sabem que eu tenho duas meninas ratas, a Chiara e a Carina. Quando lhes ponho a gaiola de lavado (uma vez por semana, para não lhes estragar o trabalho que têm com os tuneis que constroem) faço-o sobre a minha cama: deixo-as à vontade e fico a vê-las a correr de um lado para o outro enquanto tiro o conteúdo da gaiola - aparas de madeira, pedacinhos de cartão e algodão comestível, entrelaçados, e limpo a mesma com umas tolhitas de bebé. As mocinhas são bem comportadas, e apercebem-se da altura, por isso são comedidas nas suas andanças.

 

Abro aqui um parêntesis para reafirmar que quando digo que o meu quarto está um caos, é porque está mesmo. Parece que explodiu lá uma máquina de lavar roupa de 12 quilos em plena centrifugação. Para além disso, por baixo da cama há caixas daquelas baixinhas, e mais um ror de coisas que para lá são levadas pela Piccolina, e algumas que ela atira de cima da cómoda, da mesa de cabeceira... um verdadeiro reino da confusão.

  

 

Ora hoje a minha querida Carina - a que mordeu aqui os dois estarolas - lembrou-se que, sei lá, era capaz de ser boa ideia dar-me uma ajudinha a organizar a bagunça. Ou seja estou a olhar para a Chiara (que costuma ser a mais afoita) a sul da cama. Viro-me para norte e... nepes. Rien. Nada. Vai aqui a tã-tã, começa a chamar a rata pelo nome. O sangue já me ía nos tornozelos e eu só repetia: não entres em panico! Chiara dentro da gaiola, literalmente a trepar pelas grades à procura da irmã, e eu a dobrar as mantas e o edredão, a colcha, os lençóis... não fosse ela se ter enfiado algures... e vai de chamar... eis senão quando, do meu lado da cama surge uma figurinha familiar, castanha escura, toda satisfeita... precipito-me sobre ela, agarro-a (não havia pressa, ela já tinha feito o turismo todo, mas eu sabia lá!) e junto-a à irmã, que a recebeu como se não a visse há um ano. Trago a gaiola para a sala, enfio tubos de cartão lá dentro e algodão, para elas recomeçarem a construir os túneis, e a maluquice é tão grande que, ao contrário de como é costume, se precipitarem àvidamente sobre os mesmos e desatarem a roê-los, é vê-las felizes e aos pulos (sim, por alguma razão lhes chamam ratos-canguru). Poiso a gaiola no chão da sala, e reparo que estou a hiperventilar. Sento-me e desato a escrever. Juro que ainda estou assim um nadinha(??) abananada...

 

Oh c'um camandro...

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D