Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Qui | 02.06.11

Portugal a votos ou Como eu me estou a sentir na casa dos espelhos da feira popular...

Fátima Bento

Bem, como eu andava enterrada em política até à medula, criei um blogue só para falar de política. Como calculava, acabei por (ainda) nem o estrear, mas acalmei os ânimos, e comecei a pensar também noutras coisas, embora a política me ande a corroer as entranhas, qual acido...

 

Never the less, o próximo domingo é demasiado importante para deixar as eleições passarem ao lado ou ir pregar sobre elas para a recém-criada-freguesia, dado que, se este é o main-blog, e se serve de registo mais ou menos fiel dos meus dias, não há como dar a volta à coisa, e devo escarrapachar aqui o que penso.

 

Coisa que não é nada facil, dado que, a três dias do ato, ainda não sei onde pôr a cruz (acho que só decido na hora, mesmo). Mas vamos por partes.

 

A coisa desenrola-se nos seguintes moldes: Ele há este,

este,

e este

Ora neste momento podemos ter UMA CERTEZA: dos três, o único que fará parte do próximo governo, é o último, afastada que está a hipótese do vencedor ter uma maioria absoluta, e na certeza de se coligar.

 

Quanto aos dois primeiros o que dizer?

 

Começo por Sócrates: acho que toda a gente que aqui passa sabe que não gramo, DE TODO, o gajo. Mesmo. Mas acho que neste momento a situação é quanto mais grave quanto é delicado o momento que passamos: Sócrates é Metiroso, com M mais-que-maiúsculo, e toda a gente sabe. E toda a gente aceita, releva e prntx. O que é tanto mais grave quando descobrimos-  só para enumerar os dois mais recentes "incidentes" - a existência de um segundo memorando com a Troika, não aprovado pela oposição, e, não menos importante, que Sócrates e Teixeira dos santos se comprometeram a baixar a T.U., coisa que a criatura sempre negou, e acusava P.Coelho de querer fazer.

 

Quanto a Pedro Passos Coelho, é "novinho". Verdinho e, parece-me, ingénuo. Quando ele deu o passo à frente, o PSD deu um passo atrás, e ele está exposto e per se. Manuela Ferreira Leite não esconde que pensa que o importante é 'tirar de lá Sócrates', sendo a escolha do primeiro ministro de somenos importância. E Marcelo Rebelo de Sousa refere-se a PPC como 'o mal menor'. Com amigos assim, quem precisa de inimigos??? Já sabemos que o topo é um lugar solitário, mas isto também já é gozar com a tropa...

 

Se o social democrata aguenta ser o timoneiro nesta tempestade? Não sei. Acredito que seja uma pessoa de bem, e que tenha a melhor das intenções. Acredito (com um bocadinho de esforço) que ao ganhar as eleições de domingo, o partido lá dê o passo à frente, e hajam braços para fazer a força que vai ser necessária. Mas não tenho dúvidas que será dificil, muito dificíl, chegar a bom porto (acho que já estou a exagerar nas alegorias...)

 

Quanto a Sócrates, não tenho nada a dizer. NADA-A-DIZER. À primeira, caímos todos (já não me lembro, mas sou capaz de ter votado PS...); à segunda só caíu quem quis (nessa altura acho que votei no Bloco) e à terceira só quem for muito burro é que cai.

 

Porque se Passos não convence, Sócrates não levanta dúvidas: a sua vitória seria o descalabro.

 

Por isso, este domigo viro à direita, só me falta decidir se voto PSD ou se viro um nadiiiiinha à esquerda e boto a cruz no CDS. Portas tem feito uma campanha exemplar, com momentos de euforia, e penso que merece - e será - compensado.

 

Depois conto o que decidi.

5 comentários

Comentar post