Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

29
Set11

Dramalhão de caixão à cova, ou Ai Carina dum catano...

Fátima Bento

Estou aqui a ver a Activa deste mês, e passou-me agora entre os dedos um artigo de seu nome 'Epilepsia sem dramas'.

Qual epilepsia sem dramas!

Ontem à noite rendi-me às evidências de que a gaiola (ou jaula, como gosto de lhe chamar) das gerbas tinha de ser mudada (já vão perceber a co-relação). É que as evidências já me tinham tocado na ponta do nariz, eu é que capitulava sempre... ah, à hora do almoço não, que se alguma foge, não consigo ir trabalhar de tarde, levo o resto do dia à procura , e ah, boa, agora que ía limpar a gaiola não encontro as raspas de madeira! Dia seguinte saio de casa mais cedo, e páro na loja dos animais para comprar as raspas. De 'brinde' - para as ratas, não para mim, que o paguei – trago um tubo de cartão cheio de algodão comestível, para fazerem a 'cama'. Escusado será dizer que à noite “esqueci-me” de mudar a gaiola. Mas ontem decidi-me: hoje é o dia. Agoniada (já vão perceber porquê) de antecipação, mal vi que a Piccolina tinha saído do meu quarto (onde estivera a dormir duas ou três horas sobre a cama), agarro na gaiola e 'bora lá'! A piolhita ficou do lado de fora da porta a chorar durante toda a operação... mas o que interessa nem é o que se passou do lado de fora da porta... é mais o que se passou – e passa sempre – do lado de dentro...

Ora bem, eu acho que aqui há coisa de um ano, quando adotei as ratinhas, contei por aqui que quando lhes mudava a gaiola, a Carina tinha sempre um fanico. Acho que contei, se não contei,  fica contado. Agora de cada vez que lhe mudo a gaiola, o fanico é maior. Tem sezões, fica imóvel e, ato contínuo... dispara. Dispara numa velocidade indiscritível contra as coisas que estiverem no caminho. Descobri que se a tapasse, ela parava de disparar. Funcionou duas vezes. Mas ontem não, de todo. O bicho começa a tremer, imobiliza-se, e eu tapo-a com o lençol. E começo a ver o lençol em sopetões. Ede repente, zzzzzzzzuuuuuuuuttttttttt, e aterra em cima de uma pilha de livros do meu lado da cama. Salto para a agarrar, mas zzzzzzzzuuuuuuuuttttttttt, e bate com a cabeça numa das caixas de plástico que estão debaixo da cama. Vejo-a imóvel, estico as mãos, toco-lhe, mas o bicho parece uma enguia, e foge-me por entre os dedos. De um salto, atravessa a cama de um lado ao outro, e dá cabeçadas nos sapatos do Vitor, oiço, que aquilo é velocidade demais para mim.

Rodopio e debruço-me para tentar agarrá-la, ao mesmo tempo que 'controlo' a Chiara, que anda toda feliz a fazer o perímetro da cama, escondendo-se entre as almofadas.

Baixo-me, agarro na Carina e embrulho-a numa toalha, que ponho sobre a cama, por baixo do lençol. Imobilza-se completamente, soerguida, a respiração pesada. Tiro as raspas sujas de dentro da gaiola e passo-lhe um pano húmido. Ponho as novas, e o algodão. Entrementes, juntei a Chiara à Carina e estão a brincar. A Carina estaca cada vez que digo o seu nome, em pé, diz-me no pasa nada! e segue na brincadeira com a Chiara. Habitualmente deixo, mas hoje não. Pego na Carina e meto-a sobre as raspas de madeira, e encosto as grades. A Chiara, que adora que lhe mudem a gaiola para andar à vontade, foge, mas lá a agarro (o pelo delas é tão sedoso que as gajas escapam com uma facilidade do camandro...) e tunga para junto da irmã. Fica danada e põe-se a roer as grades, tant pis!, quero lá saber. A minha respiração está afanada, entrecortada, nem sei bem.

Agarro na gaiola, abro a porta e a Piccolina saúde-me com um 'tava a ver que não, porque é que demoraste tanto, avózinha, e eu respondo-lhe é trrréu, é! Eu dou-te o trrréu!

Caramba, uma gata zarolha que não sabe fazer minhau, e uma gerba epilética!

Entro na sala, e o marido pergunta 'então como é que foi?', e eu respondo-lhe com um revirar de  olhos enjoado enquano pouso a gaiola 'pior que das outras vezes, e desato a metralhá-lo com palavras a descrever o acontecido. Estou sem folego, a adrenalina tinha de sair, mas continua a custar-me a respirar, estou agoniada e penso é sempre a mesma coisa.

 

Para a próxima vez vou armada de caixa de cartão. Acabou-se a liberdade, caracoles!

 

Assim não chego a netos, chiça!

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D