Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

17
Out12

OE, ou a procissão que se inicia. Repito: SE INICIA...

Fátima Bento

Toda a gente fala do orçamento, por isso eu TAMBÉM quero falar. Mas pouco, que já estou farta, mas tão farta, tão farta, tão farta desta merd@ toda que diminuí a minha capacidade de concentração no assunto para uns parcos 10%. Já que tenho de conseguir viver com as decisões daquelas cabeças-pensantes-dizem-eles, ainda que pensem na posição da bandeira, mal por mal, não quero 'sofrer por antecipação'.

Vamos para a rua?

Bora.

Que eu estou tão insatisfeita como toda a franja de portugueses a que ainda pertenço - aqueles que estão agarradinhos aos últimos cadilhos da classe média, mesmo mesmo mesmo a estatelar-nos na nova baixa.

A média-baixa a resvalar para perder a palavra antes do hífen.

Conheço, um caso em €15 euros no salário bruto que vão custar uma perda efetiva (leia-se líquida) superior a 10 vezes esse valor. E estamos a falar da nova franja dos mileuristas. Com ou sem família a cargo, agregados com um ou dois a trabalharem,  em que se segura o mileurismo entre os dentes, agarradinhos à contagem das moedas pretas, mesmo, mesmo prestes a passar aos três dígitos.

Se ELES, imoralmente, renovam frotas automóveis, e demais pomposidades dementes, tanto me dá. Pois que vivam com as suas prioridades TÃO portuguesas e poucochinhas - em que por baixo do fato Dior vestem uma roupa interior esburacada, mas tant pis, que ninguém vê!... - já que numa situação como a nossa, a frota automóvel daqueles filhos da put@ é amendoins em comparação com tudo o resto. Juntem-lhes as Fundações que levaram uma palmadinha no pulso e as outras que nem isso, e não tarda temos um alguidar, mas ainda assim, de amendoins.

O fundo da questão, mesmo o importante, ainda não vi nem ouvi, nesses pomposos senhores da nação que apontam dedos e aventam teorias interessantes, tratado da forma que merece.

Nem vou ver.

Porque essas pessoas, da estratosfera onde se encontram - todos, os detentores do poder vigente, oposição, comentadores, e demais compadrio! - sofrem da fobia que um amigo meu sentia quando entrava num transporte público, há tempos idos de idiotas pós adolescentes em que mastigava um nauseado

'argh, povo!...'

Pois é esse povo que está já a deixar de pagar as contas básicas, e-seja-o-que-deus-quiser, e que anda aos trambolhões a tentar sobreviver entre as prestações, as contas, as despesas a que tem de fazer face, e os apoios, subsídios e afins que não pode pedir porque o escalão (palavrão papão novo) em que se encaixa, ao mesmo tempo que põe a necessidade cada vez mais perto, afasta na mesma medida a hipótese de o pedir.

A solução?

Se calhar, o povo de um país em peso a entrar em incumprimento pessoal, a abrir insolvencias particulares em catadupa, a largar os empregos em que, feitas as contas, trazem para casa pouco mais que a capitação que dá acesso aos subsídios de inserção, aos descontos nos passes dos filhos, aos abonos de familia, às SASEs, e a engrossar as fileiras dos que assim fazem.

Mas depressa, antes que fechem, também, essa torneira, e comecem a varrer a classe baixa (essa que neste momento sorri, regalada por ver o vizinho que até tinha os dois filhos na faculdade a ter a luz cortada, e a desligar o cabo), para uma vala comum.

Que nesta guerra que os Cabeças Pensantes deste país travam, não há lugar para prisioneiros.

E, desculpem lá, mas diz a menina que só está com 10% da atenção presa na política e em quem a faz, mais naquela coisa a que chama Economia, e que não faz sentido nenhum (e porque faria?),

esta procissão ainda está a começar a sair do adro da igreja...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D