Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma "dona de casa" 2.0

... à beira de um colapso

26
Dez12

Do Natal: afinal o que é que resta???

Fátima Bento

As minhas melhores memórias de infância são dos natais. Não éramos muitos: os meus pais, a minha avó, eu e a minha irmã. Mas  minha mãe imprimia uma atenção, carinho, quiçá ternura à quadra, que fazia toda a diferença.

Começávamos cedo, por ir comprar os enfeites daquele ano, coisa que fazíamos nos Grandes Armazéns do Chiado e Grandella. Bolas, 'lágrimas', sinos em vidro colorido, e mais uma ou duas personagens para enriquecer o presépio. O pinheiro era escolhido por nós e cortado pelo meu pai no que agora seria considerado uma afronta ecológica num local onde agora já nem existe um único pinheiro, substituídos que foram por construções... 

Depois, enfeitávamos a árvore, desembrulhando todos os enfeites dos natais anteriores do seu papel de seda, manuseados como se fossem jóias, não fosse algum partir-se. E seguia-se o presépio, com os seus lagos de vidro espelhado encimados por pontes de barro colorido, casinhas, pastores, dezenas de ovelhas, e o estábulo, com, no centro, o menino Jesus mais delicado do mundo, nos seus 2 cm de corpinho e palhinhas.

Mais perto da data, subíamos a Rua do Alecrim, descíamos a Garret, e deliciavamo-nos com os bonecos movidos a eletricidade nas montras dos Grandes Armazéns.

No 24, acordava com o cheiro a aguardente que saia do gargalo de uma garrafa de vidro branco que tinha um rótulo com o desenho de uma lareira, diretamente para dentro o alguidar em que a minha avó amassava os sonhos a murro, sonhos a que ela chamava filhós. No final da tarde, o cheiro dos fritos invadia o ar, e era tão bom comê-los ainda quentes! O dia acabava com um sapatinho na chaminé, e a oração a pedir presentes.

A meio da noite éramos acordadas - o pai natal chegou, o pai natal chegou! - e em cima do fogão da cozinha estava um amontoado de presentes. Não me lembro se era difícil voltar a adormecer depois, só me lembro de tremer de excitação enquanto os abria.

Não me perguntem o que se comia ao almoço, ao jantar, que não faço qualquer ideia: a minha memória esgota-se nestas minudências

AGORA

O Natal é um dia. Ou pronto, se quiserem dois. No 24 é da praxe o bacalhau, as batatas e as couves - embora cá em casa EU não siga essa regra, e como sou eu que cozinho, vai de peito de peru recheado, e vai muito bem. À meia noite - que às vezes é  às 10 ou 11 horas, que há sempre alguém cheio de pressa para se "pôr na alheta", trocam-se os presentes: um de cada vez, só se abre o seguinte quando o anterior foi apreciado por todos. No final, é pôr os 'ganhos' nos sacos, e voltar cada um a seu ninho - este ano a sogra ficou a dormir cá.

O almoço de natal é com o outro lado da família - a minha sendo (atualmente)Testemunha de Jeová, não celebra, pelo que somos nós: eu, o Vitor, o puto e a sogra (agora).

E pronto. 

Uma semana inteira de trabalho que se consome em 3 ou 4 horas.

{#emotions_dlg.star}E a emoção, qual emoção? 

{#emotions_dlg.star}E as estrelas nos olhos, quais estrelas nos olhos?

{#emotions_dlg.star}E as surpresas, quais surpresas? (hoje em dia não há como fazer surpresas, se calha ser o presente errado, é o cargo dos trabalhos...)

- Por isso, de ano para ano me sabe, cheira e sente cada vez menos a natal;

- Por isso, eu que adorava fazer embrulhos, compro sacos de papel;

- Por isso, há três anos que não espalho decorações de natal pela casa, e há dois que nem árvore faço;

- Porque o natal não é isto.

E o Natal não se compra. O Natal está cá dentro (ou não está, de todo).

E digam-me o que disserem, este ano só vi, em todo o lado, cascas vazias.

E NÃO, "o Natal não é (suposto ser) um dia como os outros".
P.S: nem comecem a dizer que se é tão importante para mim, que o transforme nisso: há um ror de anos que me esforço nesse sentido. Esforço a sério. Agora cansei-me. Chega.

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D