Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

27
Set07

Mas que raio de titulo é que hei-de dar a esta m*r*a???

Fátima Bento

Estou oficialmente triste.

 

Nos últimos 30 anos, mais coisa menos coisa, não fôra a resiliência que possuo, já cá não andava. Há quem apague a luz por menos, e vezes demais tive vontade de o fazer. Mas não o fiz, e por alguma razão terá sido (já lá dizia o tio Einstein que não há coincidências, para tudo o que acontece tem de haver uma razão e um propósito). E de há uns 6 ou 7 meses para cá, tal qual o titulo de um livro do Asterix, “Caíu-lhes o céu em cima da cabeça“, TAU, levei c’o dito no alto da pinha.

 

Não vou desafiar o cosmos, mas aconteceu-me quase tudo. Tudo o que não precisava, não queria, dispensava. E houve o que doeu mesmo. Mesmo a sério.

 

Bom, começando pelo mais recente, o meu filho foi agredido na Escola - aproximadamente a 30 metros (não medi, é a distancia de atravessar a estrada), enquanto esperava pelo autocarro, com um grupo. Desde arrastarem-lhe a mochila na terra, a saltarem sobre ela, até lhe baterem com um cinto… tudo sob o olhar atento de dois Auxiliares de Acção Educativa (?) que não mexerem um musculo nem para ligar para a Escola Segura.

 

Claro que acto continuo, a criança chega a casa arrasada, ligo para o Conselho Executivo: não tinham tido qualquer conhecimento do facto, ninguém tinha mencionado o assunto, mas que eu deveria falar com a Directora de Turma - ó p’las alminhas, atão o puto é agredido na paragem do autocarro, e mandam-me falar com a Directora de Turma???? Sou só eu OU ISTO NÃO FAZ SENTIDO NENHUM? - e apresentar uma queixa por escrito.

 

Mas como aqui a filha do Sô Zé até é uma mocinha bem mandada - e nestas coisas não se deve falhar um milímetro - lá fui ao encontro da mencionada DT, entreguei duas cartas em que além de mencionar o ocorrido, pedi a identificação dos Auxiliares, e terminei com um “agradecendo deferimento”.

 

A agressão  foi na quarta feira passada, que à conta do toque de saída ser à hora do autocarro, eles não o conseguem apanhar, e esperam 40 minutos pelo seguinte. 40 minutos!!!!

 

A reunião com a DT foi na Quinta.

 

(eu acabei de meter os papéis para o exame de código, mas com a reformulação da DGV, a coisa ‘tá lleeeeeennttaaaaa e demoooooorraaaddaaaa, de modo que, mesmo que passe os dois exames à primeira, não tenho carta antes de Dezembro. E olhem que dados os ataques de pânico do gaiato, eu já pensei em ir buscá-lo mesmo SEM CARTA arriscando-me a 2 anos de prisão e 240 dias de multa se apanhada… - ná, c’a sorte qu’eu ando, era só dar à chave e tinha o policia à frente de bloco em punho…)

 

Vai daí a criança não conseguiu ir à Escola na Segunda nem terça de manhã, pânico,  pânico… Aquilo deve ter andado a fermentar naquela cabecinha durante o fim de semana, e… prontos.

 

Quarta-feira: ele decidiu ir, e declinou a boleia do avô para casa. Resolveu enfrentar, para ver se consegue superar.

 

Bom, escusado será dizer que da escola, até agora deferimento, nepes.

 

Até que ontem soube mais umas coisas:

 

Tive direito a uma descrição do ocorrido por um colega que estava presente, que além de confirmar a presença dos dois-mirones-cuja-obrigação-até-era-terem-tomado-medidas, soube que os mesmos conhecem os miúdos agressores.

 

O que foi realmente grave para a criança para qualquer criança, nitidamente, foi, mais de que as chicotadas que apanhou com o cinto, mais que a própria humilhação, foi a insegurança gerada por dois elementos, que estão ali para os proteger, não terem feito nada. Só faltou aplaudirem a actuação quando finalmente viram o autocarro aproximar-se.

 

Obviamente, isto não fica assim.

 

Já aprendi o suficiente para saber exactamente os passos a dar para ajudar a cair o Carmo e a Trindade.

 

Que agora o que irrita é o pouco caso que a escola devota a um caso destes.

 

Afinal sempre tivemos razão quando, em Junho - devido ao facto de um grupo grande de miúdos perseguir sistematicamente o Tomás dentro da escola, nomeadamente nos intervalos, para lhe bater - termos combinado que já que só faltavam 15 dias para o fim do ano lectivo, se ele conseguisse esquivar-se até ao inicio das férias, seria o ideal, uma vez que, ninguém ia fazer nada. Os 15 dias passaram connosco a perguntar diariamente  que/se tinha acontecido alguma coisa. E a escola acabou, e o puto fez um longo UUUUUUUUFFFFFAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!

 

O assalto e o bullying de que tinha sido alvo estavam para trás!

 

Agora, este incidente veio pôr a panela ao lume com todos os ingredientes lá dentro.

 

Pelo amor da santa, o meu filho tem 11 anos!!!!!! Com esta idade TODOS os miúdos precisam de protecção!

 

Ah, mas garanto, isto não fica assim!

Fátima

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D