Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

Diário de uma dona de casa 2.0

... à beira de um colapso

20
Nov07

Falta de memória...

Fátima Bento

Lembro-me do dia 25 de Abril de 1974; foi um dia cinzento, e perto da hora do almoço, estando eu a brincar na rua na companhia de outra criança, a minha mãe chamou-me para dentro, apreensiva. Ao sentir essa nota de insegurança, indaguei o porquê de não poder estar a brincar na rua, ao que ela me respondeu: “não sabemos como isto vai correr, há uma revolução, não é seguro”. Conhecia aquele temor, que tinha também sentido na voz da minha avó um ou dois anos antes, quando alguém à mesa do almoço falou em Marcello Caetano, tendo imediatamente ser interpelado por ela com um “é melhor estarmos calados, as paredes têm ouvidos...” E eu, pestinha curiosa: “Hãn?” Alguém me deu a explicação de que se nos ouvissem falar mal do governo, podíamos ir presos. E comentou-se que bastava um vizinho ouvir e fazer queixa, apontando para a nossa janela, num rés-do-chão, sempre entreaberta para os gatos poderem entrar e sair quando lhes aprouvesse. Naquele 25 de Abril o receio na voz da minha mãe era igual ao que tinha sentido na da minha avó, e isso deixou-me com uma sensação de insegurança de que me lembro até hoje. Já lá vão 33 anos.

 

Seguiu-se a euforia pós revolução. Acompanhei isso de perto, porque a minha mãe tencionava escrever um livro com um relato sobre a mesma, tendo reunido toneladas de material, desde gravar os noticiários pela rádio, jornais, e tudo o mais que pôde. Por isso este período da nossa história me está tão presente, guardado que está desde os meus de 6 anos.

 

Entretanto os anos passaram, e a memória de todos os que lutaram, estiveram no exílio ou presos, para que tivéssemos direito a usar o nosso sentido crítico e a nossa voz para protestar contra o que achamos errado, foi-se diluindo em meio às telenovelas e aos Reality Shows que nos entopem os 3 principais canais portugueses, o discernimento e o sentido crítico.

 

Por isso, ninguém acha estranho ou anormal que a GNR carregue sobre um grupo de indivíduos que exercem o seu direito de greve como forma de protesto, direito consagrado na nossa Constituição. Nem ninguém se revolta com as demissões sumárias daqueles que ousam tecer um qualquer comentário depreciativo sobre o Sr. Sócrates e o seu governo, ou fazem uma graçola sobre o assunto.

 

Tudo normal, portanto, para os habitantes deste país à beira mar plantado, que assobiam para o ar sem descolar o olhar da nova telenovela da RTP, SIC ou TVI, aproveitando os intervalos para folhear a Caras, a Vip ou  Flash,  a Nova Gente, a Tv7dias,  a TV Mais, a Tv Guia… e que se deitam para passarem o dia seguinte embotoadamente amorfos, ávidos de comida pré mastigada que possam engolir sem necessidade de raciocinar. Repasto que lhes é servido em doses maciças pelos media, subservientemente tão bem treinados para ter em vista os números, dos lucros e das audiências.

 

E assim caminhamos para trás, num retrocesso anunciado com a vitória do ‘nosso grande’ ditador naquela coisa que diz que é uma espécie de concurso, e que o nosso Primeiro, cioso que é do seu papel em que lhe cabe fazer a vontade de quem o elegeu, se apressou em personalizar e tornar real.

 

E assim recuamos, nós e mundo, murmúrios que os há do retorno da ‘Guerra Fria’. Caso para dizer que não seremos os únicos a olhar para o lado e a assobiar para o ar…

 

Pela minha parte vou tentando agir profilacticamente, conversando com os meus infantes sobre o “Estado da Nação” e do mundo, de forma a exercitar-lhes o raciocínio e o juízo crítico, para não se engajarem em rebanhos acéfalos, e embandeirarem em arco por lutas que não são as suas. Para que o futuro, aquele que eles e os filhos deles vão construir, seja um futuro participado, activo, em que a valores como a liberdade e os direitos humanos sejam o B-A BA de uma sociedade democrática e justa onde ‘cidadania’ deixe der ser uma palavra, e passe a ser uma atitude

 

Fátima

 

P.S.: Não, não sou de esquerda. Nem de direita. E entre uma e outra coisa, neste momento as fronteiras vão estando cada vez mais esbatidas… só acho que a politica deveria ser participada por todos aqueles cuja vida ela influencia: todos nas, afinal. E quando chegamos à conclusão que todo o panorama politico nacional é, tão só e apenas mais do mesmo, haverá, com certeza, alguma coisa que precisa de se feita. Não sei o quê, mas se pensássemos todos nisso, se calhar éramos capaz de descobrir…

 

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Follow on Bloglovin

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D